Indiferença I

A indiferença é o silêncio da superfície lunar.

Fêre Rocha

Publicado em frase | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Futuro I

Dirigível em SP. Imagem: divulgação

O futuro é um dirigível que não se sabe do motor.

Fêre Rocha

Publicado em frase | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Caneta e fármaco

 

Escrevendo até sarar a beirada do buraco, deles todos, o lado e o fundo. Escrevendo lambidas nas feridas. Jogando montes de consoantes e vogais em quartos vazios que ecoam, páginas que escorregam pra baixo da cama. Como fosse a tinta de caneta o fármaco (um consultório todo). A cara do analista, lembro, risquei de lado a outro e desci anotando pelo casaco. Falamos tanto e disso também. Concordamos que falo errado, torto, despejando vogais em chãos indispostos. Calamos. Escrevendo no chão tentei responder perguntas (dele, minhas, das feridas). Nada. Só vi porcelanato.

Da escrita o mercúrio cromo, maleta de antissépticos. Todos nós em eterno refluxo. Escrevo porque rejeito o vômito.

Fêre Rocha

Publicado em Prosa poética | Marcado com , , , , , , , , , | 4 Comentários