Moscas bebês

escultura de Sue Clark

Note, João, que as moscas estão a diminuir. Morre-se menos, do morrer de fora, do cair ao chão e a carne então sumir. Percebe, João, que temos menos mortos? As moscas bebês vão ter que morrer prematuramente porque findam menos corpos sobre o chão. Eu sei, eu sei o que vais me perguntar. Mas e essas mortes ao redor, impondo toda sua força? Estamos morrendo em mesmo tanto que antes, João. Agora, de uma morte discreta, recatada e quase protocolar. Morremos por dentro.

Fêre Rocha

Anúncios
Publicado em Poet, Poetry, Prosa poética | Marcado com , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Habilmente

Viver exige muitíssima habilidade. Esquecer-se disso, mais ainda.

Fêre Rocha

Imagem: divulgação

Publicado em frase, Poema, Poesia, Poet, Poetry | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Sentados, os deuses

Os deuses fizeram o fim de tarde porque também precisaram sentar e suspirar. O céu de cores é o suspiro de vinte e nove deuses no sofá, só que a gente não ouve mais.

Fêre Rocha

Publicado em frase, Poema, Poesia, Poet, Poetry | Marcado com , , , , , , , , | Deixe um comentário