Crônica da Fereh

 

Para chegar no céu

A amarelinha na calçada. Foi por dois minutos que olhei o desenho no chão. Uma arte que toda criança sabe fazer. Essa era feita daquela pedrinha cor de laranja, acho que chamam “tijolo de construção”. A menininha com não mais que seis anos, sabia bem como pular pelos desenhos que tinha feito. Um, dois, três, quatro jogava a pedrinha, não pode mais pisar na linha e nem pisar no quatro. Cinco, seis, sete, oito, pisou no nove, parou no céu…

Brincadeira inocente e sem contra indicação, cheguei a achar que não se fazia mais. Mas naquele sábado de sol ela trocara o video game pela amarelinha. Até o momento não tinha conseguido algumas colegas para brincar junto. Mas não desanimou, viu que era um jogo daqueles em que também se joga sozinha.

Atirou a pedra longe demais, teve que ser honesta consigo mesma e voltou três números para trás. Até parece como a vida, o jogo tão simples na calçada. Avançamos dois, três passos; mas num primeiro lance errado de nossas pedrinhas voltamos vários passos para trás. Vamos tudo de novo ao início. Mesmo que não tenha um competidor olhando, sabemos em que hora pisamos fora da linha. Temos que juntar nossa pedrinha e tentar novamente.

Arriscar novos lances, sempre um passo após o outro, até o momento em que subimos, passamos etapas. Seria então quando encontramos o nosso “céu”, a hora que realizamos sonhos ou vencemos um medo. Bem que a vida poderia ser tão simples como pular amarelinha. Ali naquela rua era a única preocupação da garotinha, ao menos por enquanto, brincar de amarelinha.

 Fernanda Rocha
Todos os direitos reservados ao autor

Anúncios
Esse post foi publicado em Crônica e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

14 respostas para Crônica da Fereh

  1. Naiana disse:

    ahh.. se a vida fosse tão simples como um jogo de amarelinha! Linda essa crônica, deu até saudades da infância. Sucesso Fe.

  2. Fê Marks disse:

    Saudades de qdo nossa preocupação era apenas voltar algumas casas.
    hehe
    Lindo Fereh!
    Beijos.

  3. Ai aí… Quando criança eu não brincava de amarelinha – coisa de meninas – :D Mas hoje em dia as amarelinhas da vida se tornaram coisas corriqueiras. Às vezes, dá uma vontade louca de jogar não só a pedrinha mas a amarelinha toda bem longe! Pena que não dá! Parabéns pela crônica! Show de bola!

  4. Aline disse:

    Desenho toda a calçada
    Acaba o giz, tem tijolo de construção
    Eu rabisco o sol que a chuva apagou
    Quero que saibas que me lembro
    Queria até que pudesses me ver
    És parte ainda do que me faz forte
    E, pra ser honesto,
    Só um pouquinho infeliz

    Me fez lembrar…. =D

  5. Michelle Souza disse:

    Aline lembrando Legião Urbana?? NOVAS!!

    Esse texto me lembrou muito a minha infância, que até mesmo sozinha brincava de amarelinha…sempre brincando mais na rua do que em casa com os video games…”esconde-esconde” – “Pega-pega” e por ae vai.
    Bons tempos que a nossa única preocupação era apenas brincar ;)

  6. Natalia disse:

    Aiii que fofa essa cronica!
    Muito bonitinha…tb me fez lembrar da infancia…qd brincavamos na calçada da frente da casa da voh… =)
    Que saudades…
    Parabens!
    beijooos!

  7. lahiri disse:

    A singeleza e a inocência como um grande passo para nosso aprendizado….massa fereh!

  8. Andy disse:

    Que nostalgia!!! Na minha terra chamam de “sapata”. O porquê desse nome eu nunca soube, só me interessava pelo convite “vamos pular sapata??” Adorava! E qndo acho muitas vezes que a infância de hoje não é mais tão feliz qnto a nossa foi, vejo minhas alunas pulando corda e elástico no pátio e resolvo mudar de ideia…Parabéns pela crônia Fe, fizeste uma bela analogia com as situações da vida!

  9. Grazielle disse:

    Adorei Prof!!!
    Deu saudade da infância..
    Bjs Grazi :)

  10. Neuza Teresinha Pinto Valentim disse:

    Que lindo Fernanda.Muito significativa a comparação que Você faz no texto sobre o “encontro do nosso céu”; Quando conseguimos superar os desafios e tomamos coragem de dominar a mente e superar os apegos ao terreno, nossa alma se eleva – sentimos que conseguimos crescer mais um pouco. Parabéns, querida menina. CONTINÚE ESCREVENDO!!! Bjos. Profª.Neuza.

  11. Jorge Peixe disse:

    Excelente !!
    Nos faz viajar no tempo e lembrar de nossa infancia…
    parabens

  12. fereh disse:

    Obrigada por sempre passar por aqui Jorge.

  13. Maria Osman disse:

    Fer, eh lindo. Como você me emociona. Fico feliz e agradecida a Deus por pessoas especiais como você , e, por ter entrado em minha vIda. Bjs

  14. Inês mamis disse:

    Que lindo Fê!Tão simples e tão verdadeiro…é…na minha amarelinha a pedra ta sempre me levando ao céu.Acho q sou uma sortuda com as pedrinhas da vida!Beijos!!te amo!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s