Sem Chinelos

Divulgação

Sem chinelos

Pés no chão, lamaçal

Sol na cara, marginal

Tenta ler, pega o jornal

Faz de conta, faz que entende

Mídia sensacional

ista.

Mas tem de ver

Vaga aparecer

Trabalhar, parecer

Ignorar, pertencer.

Noite fria

Calçada vazia

De muita cachaça

E barriga vazia

Não vê o carro

Que do escuro vinha

Derruba o jornal

E toda a ladainha.

E de pés sujos

Com rosto igual

Queria ainda

Ser imortal.

Mas ali percebe

O já tão banal

Que cabia a ele,

O duro papel

De excremento social.

E que não atrapalhe

No sinal

E o povo aliviado

Pensa meio disfarçado:

Ali na rua

A carne crua

Sob a lua

Ainda bem

Não é minha

É tua.

Fêre Rocha

Divulgação

Esse post foi publicado em Poesia e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para Sem Chinelos

  1. Inês mamis disse:

    Que poema lindo Fereh!Senti uma melancolia quando li, pensando na miséria humana que está sempre alí, bem ao nosso lado e sempre pensamos que é problema alheio.Lindo e comovente!

  2. Maria disse:

    Lindo Poema, Feh vc sempre arrasa… e me emociona a cada poema… FELIZ NATAL E 2013 MARAVILHOSO… Adoro demais vc. Bjs

  3. Rafa Castagna disse:

    Belíssimo! Muito inteligente!
    Aproveitando, Feliz 2013! Que seja um ano maravilhoso!
    Beijos!

Deixe uma resposta para Rafa Castagna Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s