Calma

shell

 

Céu de conchas
Mar sem chão
Colo de luz,
Ombro e mãos
Cruza as pernas
Feito índio
Cruza os dedos
Faz a figa
Se luz faltar
A gente quebra
O gelo
Se derrete
Em samba
E se acolhe
Em concha
De perna bamba.

Fêre Rocha

Rest-on-Your-Shoulder-2011-Movie-Image-2

Anúncios
Esse post foi publicado em Poema, Poesia, Poet, Poetry e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Calma

  1. Juliana Lima disse:

    Fêre tudo bem?
    Que poema tudo!
    Amei demais parabéns…
    Gostaria de saber se aceita o meu convite para participar da Quinta Autoral… um projeto do meu blog.
    É um sarau eletrônico que conta com a participação de dois artistas.
    Caso queira participar amanhã, mande um e-mail para:
    fabulonica@hotmail.com

    Obrigada pela atenção ☺

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s