Alumínio

roman-holiday-audrey-hepburn-824737_640_4801

 

Se o sorriso de Maria fosse tão sincero quanto o de Madalena era, que sorte João tiraria. Mas Maria nem sabia que poderia ser assim, nem que teria um dia que sorrir para João. Se soubesse, dizem alguns que correria logo aprender. Uma pena, porque eram quatro e quinze e João nem pensava mais em Madalena e seu sorriso arrancador de árvores frágeis em dias de vento forte.

De paixão já superada dobrou esquinas até o endereço de Maria, num segundo de coragem, pra ver se ganhava a paisagem do arco de seus lábios. Quinze para as cinco e um fôlego que já faltava, esbarrou na moça que não sabia sorrir e viu. Soube que ganharia. Sorriu Maria.
Caiu João em novo capítulo de dias com vontade e fôlego de salva-vidas.

Fêre Rocha

 

paris-flaneur

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Prosa poética e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s