Reboco

infiltra

Rachaduras em paredes de casas com falta de tinta
Chuva fina que invade as rachaduras molha os pés do cara com sede
Com fome
Confuso
Os pés frios
Meninas que nunca se viram apertam o passo no beco da rua
Meninas têm medo de caras que nunca viram
Juntas apertam o passo
Aperto solidário, no peito
Franzem a testa, cobrem os peitos com cadernos de doze matérias
Ciclovia interrompida por mais uma faixa
Outra reta de acolher carros que correm
Bicicletas param
O cachorro atravessa só
O cachorro querendo comida e um canto na sombra
Hoje quer comida e lambida na sobra
Hoje ele não quer ser adotado por você
Em casas sem paredes insetos invadem frestas e rachaduras
A dengue dá febre
A gripe, a saudade e o desejo dão febre
A vida tem corrente de vento frio
Nem sempre cobrimos as frestas com cimento
A tempo

Fêre Rocha

Anúncios
Esse post foi publicado em Poema, Poesia, Poetry e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Reboco

  1. JkMonde disse:

    Uma boa reflexão do minimalismo da sociedade! ;)

  2. rafael disse:

    Legal amor! Mostra o cotidiano de quem pega ônibus e passa pelo beco! rs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s