Bruxa

bbbbbbbbbbbEnfrentava problemas constantes de sincronia física. Sim, porque alguns de seus movimentos básicos eram contraditórios. Básicos e contraditórios e escassos e algozes. Cerrava os dentes à noite com a força de uma centena de quilos. Era isso até desgastar partes e as lascas caírem de modo a senti-las na língua pela manhã. Entre as pernas não, nunca, nada encostava. Elas em si cerradas. Sem fricção das mãos em pele, nos ossos. Sem liberdade esfregada, nem força.

Toda a negação de corpo, de mãos… virava bruxismo.
Pobre bruxa.

Fêre Rocha

Anúncios
Esse post foi publicado em Poet, Prosa poética e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Bruxa

  1. beto disse:

    Amei nossa pobre bruxinha
    tenho cá um tanto de desgaste nos dentes também!..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s