Do escuro

9af5aa7beae7635f2f0992c300b386e9

João sente fome. Sente fome todos os dias. Na rua em que perambula tem um poste com buraco no início porque o cimento rachou. João passou a colocar a fome naquele buraco, todos os dias. Ficou escuro. Em todas as noites aquele é o poste sem luz.

Nem poste aguenta fome de criança.

Fêre

Anúncios
Esse post foi publicado em Poema, Poesia, Poet, Poetry, Prosa poética e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s