Piedade de Nós

Ainda lembro que sabíamos de cor todas as orações e a ordem com que seriam ditas as rezas. E no domingo, especialmente movimentado como formigueiros no inverno, nem precisávamos usar da preocupação em sermos vistos ou criminosamente silenciar algum ruído porque ninguém ouviria nossas preces mundanas. Todos estavam quase sempre concentrados nas passagens bíblicas muito bem interpretadas pelo padre Otávio. Tinha uma maioria cantando em uníssono “derrama senhor, derrama”; e a gente concordando com essa estrofe era impagável. Cochichávamos que tudo bem usar aquele lugar de vez em quando, pois tinha espaço (e as sobras de algum vinho), além do que deus tinha ditado a alguém que amássemos uns aos outros, então lá estávamos obedecendo religiosamente. Lambendo e consagrando nossas hóstias, grudados e salvos num próprio paraíso, ali, na sala dos fundos da igreja da sagrada família.

Fêre Rocha

Anúncios
Esse post foi publicado em Conto e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Piedade de Nós

  1. Rafael Vieira de Araujo disse:

    Show!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s