Moscas bebês

escultura de Sue Clark

Note, João, que as moscas estão a diminuir. Morre-se menos, do morrer de fora, do cair ao chão e a carne então sumir. Percebe, João, que temos menos mortos? As moscas bebês vão ter que morrer prematuramente porque findam menos corpos sobre o chão. Eu sei, eu sei o que vais me perguntar. Mas e essas mortes ao redor, impondo toda sua força? Estamos morrendo em mesmo tanto que antes, João. Agora, de uma morte discreta, recatada e quase protocolar. Morremos por dentro.

Fêre Rocha

Anúncios
Esse post foi publicado em Poet, Poetry, Prosa poética e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s