Solitude

Entre os uivos em nossas paredes ocas e apenas nelas é que percebemos a impossibilidade da presença de outros uivos durante o caminhar. Não há externo, não há alguém por você lá, mas também há. Há sempre porção de presenças afetuosas que ausentes se farão logo ao dobrarmos a esquina. Os caminhos são parecidos a todos, somos nós que fingimos não ser, com nossa ilusão psicotrópica desde quando paridos. Os bandos, os pares, os afins, os acolhedores e os que nos causarão algum prejuízo, sempre estiveram e estarão. Não falo sobre viver só, um não precisar arrogante; mas sim da absoluta solitude necessária para se poder tornar algo que valha a vinda nesse caos bonito e áspero. Mas é nas paredes ocas, resistindo aos abandonos, aceitando que ninguém é caminho pra voltar pra casa, que aceitamos. Vemos que de fato vivemos em relações de conveniência, na maior amplitude que a palavra possa ter. E é tão humano o descarte. E é tão humano o descartar em forma sutil ou exibida nesse convés do desinteresse. Nada errado. Ninguém pode ser caminho pra ninguém e a gente sempre soube. Entretanto, ter coragem pra ficar só nas paredes ocas ouvindo os próprios uivos, quase ninguém tem.

Fêre Rocha

Anúncios
Esse post foi publicado em Ensaio e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s