Anestesia

A dor me emudece
Paralisa
Imobiliza
Pinta minha cara
de cinza
Eu perversa, convivo
conivente
E falo quando não
quero
E luto quando não
quero
E trabalho quando
não consigo
Sorrio tal qual falsa
Monalisa
A dor tirana
Gosta de diplomacia
Me escraviza e diz:
sorria
Quase sempre ela,
A dor senhora e
dona do tempo
Eu submersa em
cartelas prometendo
alguma analgesia
A dor, sentinela
de meu sossego
Eu, castelo de areia
do próximo vento

Fêre Rocha

Esse post foi publicado em Poema, Poesia, Poet, Poetry e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s